Resoluções Internas

    • Aceitação de alunos previamente desligados do programa

      Resolução Interna 07/PPGEEL/2017 – Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 27 de setembro de 2017.
      Dispõe sobre a aceitação de alunos previamente desligados do Programa
      Parágrafo Único. Os alunos do Programa que forem desligados por desempenho insuficiente ou por não defenderem dissertação de mestrado ou tese de doutorado dentro do prazo regimental ou do prazo adicional autorizado pelo Colegiado Delegado, quando for o caso, não poderão ser aceitos novamente pelo Programa, mesmo que em Área de Concentração diferente, no período de um (01) ano subsequente ao desligamento.

    • Aceitação e Classificação de Novos Doutorandos

      Resolução Interna 03/PPGEEL/2016

      Resolução aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL em novembro de 2016.

       

      Dispõe sobre os critérios de Admissão, Seleção e Classificação dos Candidatos ao Doutorado e sobre os critérios para Alocação de Bolsas de Estudo do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEL) da Universidade Federal de Santa Catarina.

       

      Artigo 1. Das Disposições Gerais

      § 1. O processo de admissão e seleção ao doutorado é realizado em regime de fluxo contínuo.

      § 2. Poderão participar do processo de admissão e seleção candidatos que atendam aos requisitos do Regimento do Programa da Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina.

      § 3. No ato de inscrição, os candidatos poderão solicitar bolsa de estudos ao PPGEEL. As bolsas são distribuídas de acordo com os critérios definidos nesta Resolução.

      § 4. O processo de seleção ao doutorado é coordenado pelo Colegiado Delegado a partir de avaliação preliminar das candidaturas efetuada pelo Comitê de Assuntos Didático-Acadêmicos.

      § 5. O processo de alocação de bolsas é realizado pela Comissão de Bolsas, constituída conforme a Resolução No 40/CPG/2010, de 11 de novembro de 2010, seguindo a classificação dos candidatos realizada conforme as normas vigentes e esta Resolução.

      Artigo 2. Da Inscrição

      § 1. As inscrições ao doutorado são feitas conforme procedimentos estabelecidos nesta resolução, disponível no website do PPGEEL/UFSC.

      § 2. O número de vagas é definido pelo coordenador do programa de acordo com a capacidade de orientação e limitações estabelecidas pelas normas das agências de fomento.

      § 3. O candidato apresentará no ato da inscrição os seguintes documentos:

      o    Formulário de inscrição devidamente preenchido;

      o    Fotocópia do CPF (passaporte para estrangeiros);

      o    Histórico escolar do curso de graduação e do curso de mestrado;

      o    Fotocópia do diploma de curso de graduação e do diploma de mestrado;

      o    Fotocópia da carteira de identidade;

      o    Uma fotografia 3 X 4;

      o    Fotocópia da certidão de nascimento ou casamento;

      o    Curriculum vitae;

      o    Carta de encaminhamento do provável orientador, endossando a proposta e o candidato;

      o    Duas cartas de recomendação, preenchidas por professores universitários ou profissionais de nível superior que possam opinar sobre a aptidão do candidato para estudos avançados, sendo uma delas preferencialmente escrita pelo orientador de dissertação de mestrado;

      o    Projeto de Tese de Doutorado, elaborado em conjunto com o provável orientador do PPGEEL/UFSC, no qual deve ser feita uma descrição detalhada (com motivação, cronograma e referências) do trabalho que o candidato pretende desenvolver.

      o    Formulário de Pedido de Revalidação de Créditos em disciplinas de pós-graduação já cursadas (quando for o caso e com concordância do orientador).

      Artigo 3 - Dos Critérios de Admissão e de Seleção ao Doutorado

      § 1. A admissão e a classificação dos inscritos são realizadas com base em informações contidas nos seguintes documentos:

      o    Cartas de recomendação (CR).

      o    Histórico escolar de graduação do candidato (HG).

      o    Histórico escolar de mestrado do candidato (HM).

      o    Curriculum vitae do candidato (CV).

      § 2. Candidatos estrangeiros devem ter seus diplomas autenticados pela embaixada do Brasil no país de origem, exceto nos casos amparados por acordos diplomáticos específicos.

      § 3. O projeto de pesquisa será avaliado pelo Comitê de Assuntos Didático-Acadêmicos que emitirá um parecer de adequado ou inadequado para o doutorado.

      § 4. Um índice numérico de 0 (Muito Ruim) a 1,0 (Muito Bom) será atribuído a cada um dos documentos listados no §1. O índice associado às cartas de recomendação (CR) deve levar em consideração a consistência do documento, a reputação do profissional que emitiu a carta de recomendação e a coerência entre o conteúdo das cartas e dos HG e HM; o índice referente ao histórico escolar de graduação (HG) levará em conta o desempenho do candidato, seu tempo para conclusão do curso e a qualidade do curso; o índice referente ao histórico escolar de mestrado (HM) levará em conta o desempenho do candidato, seu tempo para conclusão do curso e a avaliação da CAPES do seu curso; o índice referente ao curriculum vitae (CV) do candidato levará em conta suas publicações em periódicos e em conferências, sua atividade profissional na área, seu desempenho em disciplinas isoladas no PPGEEL/UFSC e outros critérios que a comissão julgar procedentes.

      § 5. A partir dos índices computados conforme o §4 será calculada uma nota final (NF) para o candidato, de acordo com a fórmula a seguir:

      NF = 0,2CR +0,2HG + 0,3HM + 0,3CV

      Artigo 4. Da Aceitação dos Candidatos ao Doutorado

      § 1. Não serão aceitos no programa candidatos que não possuam um projeto de pesquisa adequado ou não alcancem os seguintes índices mínimos:

      Índice CR HG HM CV NF
      Valor mínimo para aceitação do candidato 0,60 0,50 0,60 0,50 0,65

      Artigo 5. Da Classificação dos Candidatos ao Doutorado

      § 1. Os candidatos não eliminados serão classificados conforme o valor do índice NF, utilizado para gerar uma Lista de Classificação de Doutorado, quando houver concorrência entre candidatos por bolsas de estudo.

      § 2. A Lista de Classificação de Doutorado será atualizada mensalmente, desde que haja disponibilidade de bolsas e alunos solicitantes. Os candidatos a bolsa serão notificados em tempo hábil para atualização da documentação.

      § 3. Os candidatos que possuem remuneração proveniente de vínculo empregatício ou funcional, nos termos aceitos pelas agências de fomento, somente receberão bolsas de estudo uma vez que que todos os demais candidatos solicitantes de bolsas que não possuem remuneração similar tiverem sido contemplados.

      Artigo 6. Das Disposições Finais

      §. 1. A inscrição do candidato implica na aceitação das normas e instruções para o processo de seleção contidas nesta resolução e nas demais normas do PGGEL, do CNPq e da CAPES pertinentes ao doutorado e nos comunicados já emitidos ou que vierem a público.

      § 2. Casos omissos nesta Resolução serão tratados pelo Colegiado Delegado.

       

    • Aceitação e Classificação de Novos Mestrandos

      Resolução Normativa  N°.  02/PPGEEL/2016

      Resolução aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL em 09 de novembro de 2016.

       

      Dispõe sobre os critérios de Admissão, Seleção e Classificação dos Candidatos ao Mestrado Acadêmico e sobre os critérios para Alocação de Bolsas de Estudo do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEL) da Universidade Federal de Santa Catarina.

       

      Artigo 1. Das Disposições Gerais

      § 1. O processo de admissão e seleção regular ao mestrado é realizado uma vez a cada semestre letivo.

      § 2. Poderão participar do processo de admissão e seleção candidatos que atendam aos requisitos do Regimento do Programa da Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina.

      § 3. No ato de inscrição, os candidatos poderão solicitar bolsa de estudos ao PPGEEL. As bolsas são distribuídas de acordo com os critérios definidos nesta Resolução.

      § 4. O processo de seleção ao mestrado é coordenado pela Comissão de Seleção de Alunos designada pelo coordenador do PPGEEL.

      § 5. O processo de alocação de bolsas é realizado pela Comissão de Bolsas, constituída conforme a Resolução No 40/CPG/2010, de 11 de novembro de 2010, seguindo a classificação dos candidatos realizada conforme as normas vigentes e esta Resolução.

       

      Artigo 2. Da Inscrição

      § 1. As inscrições ao mestrado seguem os procedimentos descritos em edital publicado semestralmente pelo PPGEEL/UFSC, de acordo com o artigo 42 da Resolução Normativa No 05/CUN/2010, de abril de 2010. O edital ao qual se refere este inciso estará disponível no website do Programa antes do início do período de inscrições.

      § 2. Nos editais de seleção deverão constar: o número de vagas, os prazos, a documentação exigida, a forma de avaliação e os critérios de seleção.

       

      Artigo 3. Dos Critérios de Admissão e de Seleção ao Mestrado

      § 1. O número de vagas será definido pelo coordenador do programa de acordo com a capacidade de orientação e limitações estabelecidas pelas normas das agencias de fomento.

      § 2. O período de inscrição é de no mínimo 45 dias.

      § 3. O candidato apresentará no ato da inscrição os seguintes documentos:

      -        Formulário de inscrição devidamente preenchido;

      -        Fotocópia do CPF (passaporte para estrangeiros);

      -        Fotocópia dos diplomas a partir da graduação;

      -        Histórico escolar a partir da graduação;

      -        Fotocópia da carteira de identidade;

      -        Uma fotografia 3×4;

      -        Fotocópia da certidão de nascimento ou casamento;

      -        Curriculum Vitae da Plataforma Lattes;

      -        Duas cartas de recomendação fornecidas por professores universitários ou profissionais de nível superior que possam opinar sobre a aptidão do candidato para estudos avançados (os formulários das cartas de recomendação são enviados automaticamente, por email, para os recomendantes indicados no formulário de inscrição on-line).

      § 4. Diplomas podem ser substituídos por declaração de conclusão de curso, devendo a fotocópia do diploma ser entregue à secretaria no ato da primeira matrícula.

      § 5. Para estrangeiros os diplomas devem ser autenticados pela embaixada do Brasil no país de origem, exceto nos casos amparados por acordos diplomáticos específicos.

      § 6. A admissão e a classificação dos candidatos é feita com base em informações contidas nos seguintes documentos:

      -        Histórico Escolar do Candidato com Comprovantes de Publicações e Atividades Extracurriculares;

      -        Curriculum Vitae do Candidato no Formato Lattes (CNPq);

      -        Cartas de Recomendação.

      § 7. Um índice numérico é atribuído a cada item do § 6. A média dos índices, em conjunto com um fator relacionado ao número de professores permanentes da subárea de concentração escolhida pelo candidato, é usada na classificação para bolsa.

      § 8. Os índices associados ao Histórico Escolar (HE) e ao Curriculum Vitae (CV) de cada candidato são calculados com base no seu rendimento acadêmico, no tempo em que integralizou o curso de graduação e no índice de qualidade do curso de graduação (QG).

      § 9. A Comissão atribuirá o valor do índice QG ao aluno proveniente de instituição estrangeira.

      § 10. HE e CV são calculados da seguinte forma:

      i. HE: é calculado pela seguinte equação:

      HE = CRG*TPC*QG

      onde

       CRG é Coeficiente de Rendimento do candidato no curso de graduação. Este índice é normalizado.

       TPC é um indicador do tempo de permanência no curso de graduação, definido pela equação:

         TPC = 1 – 0,05*Número de semestres adicionais; para candidatos que não participaram de programas oficiais de intercâmbio durante seu período de graduação.

      ou

         TPC = 1 – 0,05*(Número de semestres adicionais-2), até o máximo de 1,0; para candidatos que participaram de programas oficiais de intercâmbio durante seu período de graduação, mediante comprovação.

      QG é um índice derivado da avaliação obtida no ENADE e MEC e definido conforme a seguinte tabela:

      Avaliação ENADE  A/5 ENADE  B/4 ENADE  C/3 ENADE  D/2 ENADE  E/1
      MEC/CC 5 MEC/CC 4 MEC/CC 3 MEC/CC 2 MEC/CC 1
      QG 1,00 0,85 0,70 0,50 0,10

       

      ii. CV: seu valor é atribuído de acordo com a seguinte equação:

      CV = (IC + M +AP+ PR+DC)/5 +IE, até o máximo de 1,0

      onde

      IC é o valor correspondente ao número de anos na atividade de iniciação científica, com valor de 1,0 em cada ano nesta atividade, até o máximo de 3,0.

      M é o valor correspondente ao número de semestres na atividade de monitoria em disciplinas da graduação, com valor de 0,2 para cada semestre na atividade, até o máximo de 0,4.

      AP é o valor correspondente ao número de artigos publicados em fóruns com corpo revisor, sendo que cada artigo corresponde a 0,5, até o máximo de 1,5.

      PR é o valor correspondente ao número de anos em atividade profissional, com valor de 0,25 atribuído a cada ano, até o máximo de 1,5.

      DC é o valor correspondente a disciplinas isoladas cursadas no PGEEL/UFSC, atribuindo 0,5 para cada disciplina aprovada com índice A ou B. O valor do índice DC pode ser no máximo 3,0.

      IE é um bônus no valor de 0,1 atribuído ao candidato que participou de intercâmbios acadêmicos institucionais com duração mínima de um semestre.

      § 11. Não serão aceitos no Programa candidatos com índice TPC inferior a 0,8.

       

      Artigo 4. Da Classificação dos Candidatos ao Mestrado

      § 1. Os candidatos não eliminados são classificados conforme o valor do índice CC obtido pela soma ponderada dos índices CV, HE e CA assim definida:

      CC = 0,6*HE + 0,3*CV + 0,1*CA

      onde o índice CA é computado por comissão da subárea de concentração pretendida pelo candidato.

      § 2. A comissão da subárea será composta por pelo menos dois professores permanentes da subárea.

      § 3. O índice CA é definido em função da aderência do candidato às linhas de pesquisa da subárea considerando: as cartas de recomendação, disciplinas cursadas, atividades extracurriculares de pesquisa e extensão e plano de estudos constante no formulário de inscrição.

      § 4. O índice CA será normalizado, permitindo ter valores na faixa numérica contínua crescente de aderência entre zero (0,0) e um (1,0).

      § 5. Não serão aceitos no Programa candidatos com índice CA inferior a 0,3 ou índice CC inferior a 0,35.

      § 6. O índice CC será usado para gerar uma Lista de Alunos aceitos endossada pelas subáreas de concentração. Havendo discordâncias em relação à capacidade de absorção da subárea de concentração, caberá ao Colegiado Delegado dirimi-las.

      § 7. A avaliação do plano de estudos deverá ser feita de forma a não identificar o candidato.

       

      Artigo 5. Do Procedimento para Alocação de Bolsas ao Mestrado

      § 1. A alocação das bolsas de mestrado do PPGEEL será feita de acordo com dois critérios: o mérito do candidato representado pelo indicador CC e o número de professores permanentes da subárea de concentração escolhida pelo candidato.

      § 2. A lista de alocação de bolsas será elaborada semestralmente, após a seleção dos alunos que ingressam no período letivo.

      § 3 O número de bolsas disponíveis será definido a cada período letivo em edital específico, de acordo com a disponibilidade orçamentária vigente.

      § 4. Os alunos aceitos que requerem bolsa e os candidatos à bolsa que já estão no Programa serão relacionados em uma Lista de Mérito, que será ordenada conforme o índice CC.

      § 5. As bolsas serão distribuídas aos alunos respeitando sua classificação na Lista de Mérito. Os alunos de uma dada subárea de concentração receberão bolsas até que se atinja o número de professores permanentes nessa subárea. Após a primeira distribuição, havendo mais bolsas do que professores permanentes, excluem-se os alunos já contemplados e percorre-se a Lista de Mérito novamente de seu início até que todas as bolsas sejam alocadas.

      § 6. Os alunos que possuem remuneração proveniente de vínculo empregatício ou funcional, nos termos aceitos pelas agências de fomento, somente receberão bolsas de mestrado depois que todos os alunos solicitantes de bolsas que não possuem remuneração similar tiverem sido contemplados.

       

      Artigo 6. Das Disposições Finais

      §. 1. A inscrição do candidato implica na aceitação das normas e instruções para o processo de seleção contidas nos editais de inscrição, nas normas do CNPq da CAPES, do Programa, da UFSC e nos comunicados já emitidos ou que vierem a público.

      § 2. Casos omissos nesta Resolução serão tratados pelo Colegiado Delegado.

       

    • Aceitação para doutorado sem ter realizado o mestrado

       

      Resolução Interna 31/PPGEEL/2013 – Resolução revisada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL em 23/10/2013, revogando versão anterior.

      Dispõe sobre os critérios de  Admissão, Seleção e  Classificação  dos Candidatos ao Doutorado e sobre os critérios para Alocação de Bolsas de Estudo do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEL) da Universidade Federal de Santa Catarina.

      Artigo 1. Das Disposições Gerais

      § 1. O processo de admissão e seleção  ao doutorado é realizado em regime de fluxo contínuo.

      § 2. Poderão participar do processo de admissão e seleção candidatos que atendam aos requisitos do Regimento do Programa da Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Santa Catarina.

      § 3. No ato de inscrição, os candidatos poderão solicitar bolsa de estudos ao PPGEEL. As bolsas são distribuídas de acordo com os critérios definidos nesta Resolução.

      § 4. O processo de seleção ao doutorado é coordenado pelo Colegiado Delegado a partir de avaliação preliminar das candidaturas efetuada  pelo Comitê de Assuntos Didático-Acadêmicos.

      § 5. O processo de alocação de bolsas é realizado pela Comissão de Bolsas, constituída conforme a Resolução No 40/CPG/2010, de 11 de novembro de 2010, seguindo a classificação dos candidatos realizada conforme as normas vigentes e esta Resolução.

      Artigo 2. Da Inscrição

      § 1. As inscrições ao doutorado são feitas conforme procedimentos estabelecidos nesta resolução, disponível no website do PPGEEL/UFSC.

      § 2. O número de vagas é definido pelo coordenador do programa de acordo com a capacidade de orientação e limitações estabelecidas pelas Normas da CAPES.

      § 3. O candidato apresentará no ato da inscrição os seguintes documentos:

      • Formulário de inscrição devidamente preenchido;
      • Fotocópia do CPF (passaporte para estrangeiros);
      • Fotocópia do diploma de curso de graduação;
      • Histórico escolar do curso de graduação
      • Fotocópia do diploma de Mestrado ou certificado oficial comprovando experiência em atividades de pesquisa numa instituição pública ou privada durante pelo menos um semestre letivo após a obtenção do diploma de graduação.
      • Histórico escolar  do curso de mestrado ou relatório comprovando experiência em atividades de pesquisa numa instituição pública ou privada durante pelo menos um semestre letivo após a obtenção do diploma de graduação. A comissão de seleção avaliará a qualidade e profundidade do relatório correspondante para eventual admissão do candidato;
      • Fotocópia da carteira de identidade;
      • Uma fotografia 3 X 4;
      • Fotocópia da certidão de nascimento ou casamento;
      • Curriculum vitae;
      • Carta de encaminhamento do provável orientador, endossando a proposta e o candidato;
      • Duas cartas de recomendação, preenchidas por professores universitários ou profissionais de nível superior que possam opinar sobre a aptidão do candidato para estudos avançados, sendo  uma delas preferencialmente escrita pelo orientador de dissertação de mestrado;
      • Projeto de Tese de Doutorado, elaborado em conjunto com o provável orientador do PPGEEL/UFSC, no qual deve ser feita uma descrição detalhada (com motivação, cronograma e referências) do trabalho que o candidato pretende desenvolver.
      • Lista das disciplinas já cursadas em nível de pós-graduação (anexar as ementas de cada disciplina e seus créditos correspondentes).

      Artigo 3 - Dos Critérios de Admissão e de Seleção ao Doutorado

      § 1. A admissão e a classificação dos inscritos são realizadas com base em informações contidas nos seguintes documentos:

      • Cartas de recomendação (CR).
      • Histórico escolar de graduação do candidato (HG).
      • Histórico escolar de mestrado do candidato (HM).
      • Curriculum vitae do candidato (CV).

      § 2. Candidatos  estrangeiros devem ter seus diplomas  autenticados pela embaixada do Brasil no país de origem, exceto nos casos amparados por acordos diplomáticos específicos.

      § 3. O projeto de pesquisa será avaliado pelo Comitê de Assuntos Didático-Acadêmicos que emitirá um parecer de adequado ou inadequado para o doutorado.

      § 4. Um índice numérico de 0 (Muito Ruim) a 1,0 (Muito Bom) será atribuído a cada um dos documentos listados no §1. O índice associado às cartas de recomendação (CR) deve levar em consideração a consistência do documento, a reputação do profissional que emitiu a carta de recomendação e a coerência entre o conteúdo das cartas e dos HG e HM; o índice referente ao histórico escolar de graduação (HG) levará em conta o desempenho do candidato, seu tempo para conclusão do curso e a qualidade do curso; o índice referente ao histórico escolar de mestrado (HM) levará em conta o desempenho do candidato, seu tempo para conclusão do curso e a avaliação da CAPES do seu curso;  o  índice referente ao curriculum vitae (CV) do candidato levará em conta suas publicações em periódicos e em conferências, sua atividade profissional na área, seu desempenho em disciplinas isoladas no PPGEEL/UFSC e outros critérios que a comissão julgar procedentes.

      § 5. A partir dos índices computados conforme o §4 será calculada uma nota final (NF) para o candidato, de acordo com a fórmula a seguir:        

                              NF = 0,2CR +0,2HG + 0,3HM + 0,3CV

      Artigo 4. Da Aceitação dos Candidatos ao Doutorado

      § 1. Não serão aceitos no programa candidatos que não possuam um projeto de pesquisa adequado ou não alcancem os seguintes índices mínimos:

      Índice CR HG HM CV NF
      Valor mínimo para aceitação do candidato 0,60 0,50 0,60 0,50 0,65

      Artigo 5. Da Classificação dos Candidatos ao Doutorado

      § 1. Os candidatos não eliminados serão classificados conforme o valor do índice NF, utilizado para gerar uma Lista de Classificação de Doutorado, quando houver concorrência entre candidatos por bolsas de estudo.

      Artigo 6. Das Disposições Finais

      §. 1. A inscrição do candidato implica na aceitação das normas e instruções para o processo de seleção contidas nesta resolução e nas demais normas do PGGEL, do CNPq e da CAPES pertinentes ao doutorado  e nos comunicados já emitidos ou que vierem a público.

      §. 2. Casos omissos nesta Resolução serão tratados pelo Colegiado Delegado.

    • Afastamento de alunos por motivo de doença

       

       Resolução em Aprovação

    • Aprovação dos projetos de mestrado

       

      Resolução Interna 12/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 07/11/2012.

      Dispõe sobre a aprovação, pelo coordenador do Programa, dos projetos de dissertação de mestrado

       

      Parágrafo Único O coordenador do Programa poderá aprovar, administrativamente, os projetos de dissertação de mestrado, desde que sejam apresentados na forma adequada e sejam assinados pelo mestrando e pelo seu professor orientador.

       

       

    • Áreas e Subáreas de Concentração

      Para alunos que ingressaram no programa até 19/06/2012 Para alunos que ingressaram no programa após 19/06/2012
       

       

      Não havia uma resolução sobre este tema, mas para alunos que ingressaram antes de 19/06/2012 as áreas de concentração são:

      • Eletromagnetismo e Dispositivos Eletromagnéticos;
      • Eletrônica de Potência e Acionamento Elétrico;
      • Sistemas de Energia Elétrica.
      • Circuitos e Sistemas Integrados;
      • Comunicações e Processamento de Sinais;
      • Engenharia Biomédica.

       

      Resolução Interna 01/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 27/06/2012.

      Dispõe sobre a definição das subáreas de concentração

      Parágrafo Único As subáreas de concentração do Programa são definidas e associadas em função de sua afinidade com as áreas de concentração existentes. A área de concentração de Processamento de Energia é composta por três (03) subáreas: Eletromagnetismo e Dispositivos Eletromagnéticos; Eletrônica de Potência e Acionamento Elétrico; Sistemas de Energia Elétrica. A área de concentração de Processamento de Informação é composta por três (03) subáreas: Circuitos e Sistemas Integrados; Comunicações e Processamento de Sinais; Engenharia Biomédica.

    • Atividades do docente colaborador

       

      Resolução Interna 10/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em  07/11/2012.

      Dispõe sobre as atividades do Docente Colaborador

       

      Parágrafo Único Os docentes colaboradores poderão participar de bancas de defesa, participar de comissões internas e elaborar pareceres. Anualmente o docente colaborador poderá realizar uma (01) das seguintes atividades:

                i.  Ministrar uma (01) disciplina regular;
               ii.  Realizar uma (01) co-orientação
       

    • Co-orientação de teses e dissertações

       

      Resolução Interna 19/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em  07/11/2012.

      Dispõe sobre a co-orientação de dissertações e teses

       

      Parágrafo Único Dissertações de mestrado e teses de doutorado poderão ter um (01) co-orientador. A responsabilidade da orientação do aluno perante o Programa é do orientador. A solicitação de inclusão de co-orientador deve ser apresentada ao Colegiado Delegado até o décimo oitavo (18º) mês desde a primeira (1ª) matrícula de aluno de mestrado e até o trigésimo sexto (36º) mês desde a primeira (1ª) matrícula para aluno de doutorado. O co-orientador deve ser portador de título de doutor e, se externo ao Programa, não poderá co-orientar mais de um trabalho simultaneamente.

    • Co-orientação de teses em casos de doutorado sanduíche ou co-tutela

      Resolução em Aprovação 

    • Credenciamento de Professores no PPGEEL

      Consulte as seguintes Resoluções:

      Resolução 05/PPGEEL/2016

      Resolução 06/PPGEEL/2016

    • Destituição de presidentes de comitês de assessoramento

       

      Resolução Interna 05/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 07/11/2012.

      Dispõe sobre a destituição de presidentes dos comitês de assessoramento

       

      Parágrafo Único O Colegiado Delegado do Programa pode, a qualquer momento e pelo voto da maioria de seus membros, destituir o presidente de qualquer um dos comitês de assessoramento.

       

    • Disciplinas complementares

       

      Resolução Interna 06/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/08/2012.

      Dispõe sobre as disciplinas complementares

       

      Parágrafo Único As disciplinas complementares constituem um subgrupo das disciplinas eletivas, e são classificadas da seguinte forma:

      1.                                     i.            Tópicos Especiais (T.E.): Disciplina com ementa variável e número variável de créditos ministrada segundo a especialidade do professor. Geralmente utilizada para aproveitar os conhecimentos de professores visitantes ou assuntos de interessse dos professores do Programa.
      2.                                   ii.            Tópicos Avançados (T.A.): Disciplina com ementa variável e número variável de créditos ministrada para abranger um conteúdo de fronteira no estado da arte da especialidade a que se refere.
      3.                                 iii.            Trabalho Orientado (T.O.): Estudo individual, com número variável de créditos, realizado pelo estudante para completar ou expandir sua formação científica, sempre indicado pelo professor orientador.
      4.                                 iv.            Estágio Supervisionado (E.S.): Trabalho individual, com número variável de créditos, realizado pelo estudante para completar ou expandir sua formação tecnológica, sempre indicado pelo professor orientador.
      5.                                   v.            Atividade de Laboratório A.L.): Trabalho individual, de caráter prático, com número variável de créditos, desenvolvido pelo estudante, em laboratório, com objetivo de atingir resultados estabelecidos pelo professor orientador.

       

    • Eleição de membros do colegiado

       

      Resolução Interna 03/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/08/2012.

      Dispõe sobre a eleição dos membros do Colegiado Delegado

      Parágrafo Único Serão elegíveis e eleitores todos os professores permanentes do Programa. Em cada voto poderão ser indicados até quatro (04) nomes para a composição do Colegiado Delegado. Os quatro (04) membros docentes do Colegiado Delegado serão escolhidos segundo a ordem decrescente do número de votos obtidos; da mesma forma também serão escolhidos quatro (04) membros suplentes. Em caso de empate, será escolhido o candidato mais antigo na UFSC.

       

    • Estágio em Docência

      Para alunos que ingressaram no programa até 31/12/2012 Para alunos que ingressaram no programa a partir de 01/01/2013
      Resolução Interna CPGEEL/28 - Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 09/07/2003

      Dispõe sobre o Estágio de Docência

      “Normas para o Estágio de Docência: Todo bolsista de demanda social do PPGEEL deverá realizar estágio de docência - 01 durante o mestrado e 02 durante o doutorado; número de créditos: 40% do número de créditos da disciplina de graduação que estará atuando (até o máximo de 3 créditos). Não será atribuído conceito”.

       

      Resolução Interna 07/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/10/2012.

      Dispõe sobre o Estágio de Docência

       

      Parágrafo Único Todo aluno bolsista de doutorado do Programa, do CNPq ou de demanda social da CAPES, deverá realizar estágios de docência totalizando um mínimo de seis (06) créditos e máximo de oito (08), conforme a Resolução nº 44/CPG/2010. Para os alunos de mestrado e demais alunos de doutorado o estágio de docência é opcional. Para efeito de contabilização, cada crédito em estágio docência equivale à quarenta e cinco (45) horas de atividades.

    • Exame de qualificação para Mestrado e Doutorado

      RESOLUÇÃO Nº 09/PPGEEL/2017, DE 25 DE OUTUBRO DE 2017

      Dispõe sobre os processos de qualificação para alunos de mestrado e doutorado

      Art. 1º Até o décimo segundo (12º) mês, a contar da primeira matrícula no Programa, o aluno de mestrado deverá submeter-se a um processo de qualificação, o qual consiste na apresentação de Projeto de Dissertação de Mestrado. Esse projeto deverá ser elaborado pelo aluno e deverá conter:
      i. Contextualização do problema a ser pesquisado;
      ii. Revisão bibliográfica do assunto a ser pesquisado;
      iii. Objetivos da dissertação;
      iv. Descrição de materiais e métodos a serem utilizados;
      v. Cronograma de realização do trabalho de dissertação.

       §1º Para que o aluno seja considerado aprovado no processo de qualificação, o Projeto de Dissertação de Mestrado deverá ser aprovado pelo professor orientador do trabalho.

       §2º Em caso de reprovação, o aluno terá uma segunda e definitiva chance de refazer e reapresentar o Projeto de Dissertação de Mestrado, em prazo não superior a três (03) meses.

       §3º A não observância dos prazos estabelecidos equivale à reprovação no processo de qualificação.

       §4º Casos especiais serão apreciados pelo Colegiado Delegado.

       

      Art. 2º Até o vigésimo quarto (24º) mês, a contar da primeira matrícula no Programa, o aluno de doutorado deverá submeter-se a exame de qualificação, onde apresentará proposta de tese na forma de uma monografia que deverá conter:
      i. Contextualização do problema a ser pesquisado;
      ii. Análise do estado da arte, evidenciando a originalidade e ineditismo da proposta de tese;
      iii. Objetivos da tese;
      iv. Descrição de materiais e métodos a serem utilizados;
      v. Cronograma de realização do trabalho de tese.

       §1º A apresentação da proposta de tese será oral, em uma única sessão pública, onde o candidato será arguido pela comissão examinadora quanto:
      i. Ao embasamento necessário para a realização da tese;
      ii. À proposta de tese propriamente dita.

       §2º A comissão examinadora será designada por ato do Coordenador, em atenção à deliberação do Colegiado Delegado, e deverá ser constituída por, no mínimo, dois (02) membros titulares, todos possuidores do título de Doutor ou de Notório Saber, sendo ao menos um (01) deles externo à UFSC. Além destes membros, o orientador integrará a comissão examinadora na condição de presidente da sessão, sem direito a julgamento. Em caso de empate, o orientador terá o voto de minerva. O co-orientador, se houver, não poderá participar da comissão examinadora, exceto no caso de substituição ao orientador impossibilitado de participar.

       §3º A comissão examinadora poderá considerar o aluno aprovado ou reprovado no exame de qualificação.

       §4º A não observância do prazo estabelecido equivale à reprovação no exame de qualificação.

       §5º Em caso de reprovação, o aluno poderá submeter-se a um segundo (2º) e definitivo exame de qualificação em prazo não superior a seis (06) meses.

       §6º Casos especiais serão apreciados pelo Colegiado Delegado.

       

    • Funções do comitê gestor

       

      Resolução Interna 04/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/08/2012.

      Dispõe sobre o Comitê Gestor

       

      Parágrafo Único O Comitê Gestor é o órgão de assessoramento administrativo, financeiro, didático e acadêmico da Coordenação do Programa. Os membros do Comitê Gestor são designados pelo Coordenador do Programa. Suas atribuições incluem:

      i.          Preparar os relatórios do curso para os órgãos de fomento;

      ii.          Definir a implementação de mecanismos de avaliação interna;

      iii.          Elaborar planos plurianuais de gestão;

      iv.          Assessorar a alocação de recursos institucionais e de projetos;

      v.          Empreender ações de promoção e divulgação do Programa;

      vi.          Fazer o acompanhamento de egressos;

      vii.          Elaborar e acompanhar projetos Institucionais;

      viii.          Definir mecanismos de atuação em educação continuada.

       

    • Integralização de Créditos

      Para alunos que ingressaram no PPGEEL até 27/04/2010. Para alunos que ingressaram no PPGEEL após 27/04/2010.
      Resolução Interna CPGEEL/008 - Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 17/12/97.

       

      Dispõe sobre a regulamentação dos créditos para o Mestrado e Doutorado.

       

      Do número mínimo de 18 créditos em disciplinas para o Mestrado, 15 créditos, pelo menos, deverão ser obtidos em disciplinas regulares, excetuando T.O., E.S. e Estágio de Docência.

      A critério do Colegiado poderão ser aceitos créditos obtidos:

      - em outros cursos de mestrado,

      - em cursos de especialização,

      - na condição de Aluno Especial no próprio curso.

      Do número mínimo de 24 créditos em disciplinas para o Doutorado, 18 créditos, pelo menos,

      deverão ser obtidos em disciplinas regulares, excetuando T.O., E.S. e Estágio de Docência.

      Resolução Interna 08/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 07/11/2012.

      Dispõe sobre a integralização dos créditos para o programa de mestrado e doutorado

      §1º Mestrado: do número mínimo de dezoito (18) créditos em disciplinas para o mestrado, no mínimo doze (12) créditos deverão ser cursados em disciplinas do Programa. Será aceito o máximo de até três (03) créditos em disciplinas complementares referentes a trabalhos orientados (TO), estágios supervisionados (ES) e/ou atividades de laboratórios (AL). Não serão computados créditos obtidos em estágio docência. A critério do Colegiado Delegado poderão ser computados créditos obtidos: em outros programas de mestrado, doutorado, em cursos de especialização, e na condição de aluno especial no próprio Programa.

      §2º Doutorado: do número mínimo de trinta e seis (36) créditos em disciplinas para o doutorado, será aceito o máximo de até doze (12) créditos em disciplinas complementares referentes a trabalhos orientados, estágios supervisionados e/ou atividades de laboratórios. Adicionalmente, o estágio docência poderá computar até seis (06) créditos. A critério do Colegiado Delegado poderão ser aceitos créditos obtidos: em outros programas de mestrado, doutorado, e na condição de aluno especial no próprio Programa.

    • Licença maternidade

       

       Resolução em Aprovação

    • Participação de ex-alunos do programa como membros de bancas de avaliação

       

      Resolução Interna 17/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 07/11/2012.

      Dispõe sobre o tempo de carência para que ex-alunos do Programa possam ser considerados examinadores externos em bancas de avaliação

       

      Parágrafo Único Após três (03) anos sem vínculo formal com o Programa, ex-alunos poderão participar em bancas de avaliação na condição de examinador externo. Antes deste período, ex-alunos poderão participar em bancas de avaliação na condição de examinador interno.

       

    • Passagem direta do mestrado para doutorado

       Resolução Interna 06/PPGEEL/2017 – Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 27 de setembro de 2017.
      Dispõe sobre a passagem direta do mestrado para o doutorado
      Art. 1º Por solicitação expressa do professor orientador, devidamente justificada, o aluno regularmente matriculado no Programa de mestrado poderá pleitear, até o décimo oitavo (18º) mês subseqüente à primeira (1ª) matrícula a passagem direta ao doutorado desde que satisfeitas as seguintes condições:

      i. O mestrando tenha cumprido, no mínimo, dezoito (18) créditos devidamente registrados, com média superior a 8,5 (oito vírgula cinco);

      ii. Ser aprovado em exame de qualificação específico para a mudança de nível para o curso de doutorado;

      iii. Nenhuma reprovação nas disciplinas cursadas; e,

      iv. Comprovação de proficiência em pelo menos uma língua estrangeira.

      §1º - O exame de qualificação para mudança de nível será avaliado por uma comissão designada pelo Coordenador e aprovada pelo Colegiado Delegado, a qual realizará análise de mérito do projeto de pesquisa.
      §2º - A aprovação neste exame específico não exime o aluno da realização posterior do exame de qualificação que trata o Regimento do Programa.

    • Projetos de mestrado

       

      Resolução Interna 11/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/10/2012.

      Dispõe sobre o projeto de mestrado

       

      Parágrafo Único Ao final do último período de créditos o aluno deverá informar à secretaria do Programa o orientador e tema do seu trabalho de mestrado. No momento da primeira matrícula em dissertação o aluno de mestrado deverá apresentar o seu projeto de pesquisa. Esse projeto deverá ser definido conjuntamente com o professor orientador e deverá conter:

                  i.     Contextualização do problema a ser pesquisado;
                  ii.    Revisão bibliográfica do assunto a ser pesquisado;
                  iii.   Objetivos da dissertação;
                  iv.   Descrição de materiais e métodos a serem utilizados;
                  v.  Cronograma de realização do trabalho de dissertação.
       

    • Quorum mínimo para reuniões de colegiado

       

      Resolução Interna 02/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/08/2012.

      Dispõe sobre o quorum mínimo para reuniões do Colegiado do Programa

      Parágrafo Único: As reuniões regulares do Colegiado do Programa com calendário definido e pauta divulgada com quarenta e oito (48) horas de antecedência, em dias úteis segundo o calendário da Universidade, iniciar-se-ão no horário e local estabelecidos na convocação com a maioria de seus membros. As questões em julgamento serão decididas por maioria dos membros presentes.

       

    • Regime de estudos de doutorandos

      Para alunos que ingressaram no programa até 31/12/2012 Para alunos que ingressaram no programa a partir de 01/01/2013
       

      Resolução Interna CPGEEL/003 - Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 17/12/97.

      Dispõe sobre o regime de estudos dos doutorandos.

      Dos candidatos ao Doutorado exigir-se-á dedicação exclusiva até, pelo menos, a aprovação em exame de qualificação.

       

      Resolução Interna 14/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/10/2012.

      Dispõe sobre o regime de estudos dos doutorandos

       

      Parágrafo Único É facultado ao orientador dos candidatos ao doutorado exigir dedicação exclusiva até, pelo menos, a aprovação no Exame de Qualificação.

    • Regulamentação dos Regimes de Dedicação Integral e Parcial

      Resolução Interna 04/PPGEEL/2016

      Aprovada em reunião do Colegiado Delegado de 09 de novembro de 2016.

      Dispõe sobre a regulamentação de alunos com dedicação integrale parcial no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica.

       

      TITULO I

      DA CARACTERIZAÇÃO

      Art. 1º Cada aluno de mestrado ou de doutorado matriculado no PPGEEL deve estar registrado como: (a) aluno com regime de dedicação integral ao PPGEEL ou (b) aluno com regime de dedicação parcial ao PPGEEL.

      Art. 2º Alunos de mestrado ou doutorado do PPGEEL em regime de dedicação integral são caracterizados por manter carga horária semanal média não inferior a quarenta (40) horas de dedicação integral às atividades relacionadas ao mestrado ou ao doutorado.

      §1º Alunos de mestrado devem manter carga horária não inferior a seis (6) créditos em disciplinas de pós-graduação em cada semestre letivo até que completem o número mínimo de créditos exigidos. Tal exigência não se aplica ao último semestre letivo no qual o aluno, caso aprovado nas respectivas disciplinas, venha a completar o número mínimo de créditos exigidos.

      §2º A carga horária dos alunos de mestrado deve ser distribuída de forma que o aluno complete ao menos 18 créditos ao longo do primeiro ano de permanência no programa.

      §3º A exigência de carga horária mínima de seis créditos semestrais para alunos de mestrado poderá ser relaxada mediante justificativa circunstanciada do orientador do aluno e aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL.

      Art. 3º Alunos de mestrado ou doutorado do PPGEEL em regime de dedicação parcial devem manter carga horária semanal média não inferior a vinte (20) horas de dedicação às atividades relacionadas ao mestrado ou ao doutorado.

      Art. 4º Apenas alunos em regime de dedicação integral são elegíveis para receberem bolsas de estudos custeadas pelo PPGEEL.

      Art. 5º A matrícula de alunos de mestrado ou doutorado deve ser realizada a cada semestre letivo, independentemente do seu regime de dedicação.

       

      TITULO II

      DO INGRESSO NO PROGRAMA DE ALUNOS COM DEDICAÇÃO PARCIAL

      Art. 6º O ingresso de alunos de mestrado no regime de dedicação parcial no PPGEEL somente se dará mediante o cumprimento das seguintes condições:

      I   – O candidato deve ter cursado um conjunto de disciplinas que satisfaça o número mínimo de créditos exigidos, com média acumulada igual ou superior a 3,0 e que respeite as obrigatoriedades e demais especificidades da área de concentração pretendida. As disciplinas devem atender a todos os requisitos regimentais exigidos para sua validação.

      II    – Apresentar exemplar de Projeto de Dissertação de Mestrado.

      III     – Apresentar declaração de professor credenciado no PPGEEL afirmando sua disposição em orientar o aluno em conformidade com o plano de trabalho apresentado no Projeto de Dissertação de Mestrado.

      IV     – Ter demonstrado proficiência na língua inglesa em conformidade com as exigências estabelecidas pelo PPGEEL. Além disso, alunos estrangeiros devem ter demonstrado proficiência na língua portuguesa.

      V  – Ter sido aprovado em processo seletivo disciplinado por Edital.

      §1º O ingresso no PPGEEL como aluno com dedicação parcial está condicionado à aprovação do Projeto de Dissertação de Mestrado.

      §2º Caso atenda a todas as condições estabelecidas neste Artigo, o ingresso no PPGEEL como aluno de mestrado com dedicação parcial será efetivado com a matrícula no início do período letivo seguinte.

      §3º O prazo para a integralização do mestrado somente começará a ser computado a partir da primeira matrícula do aluno. Os prazos regulamentares totais são os mesmos para alunos com dedicação integral e parcial.

      Art. 7º O ingresso de alunos de doutorado no regime de dedicação parcial no PPGEEL somente se dará mediante o cumprimento das seguintes condições:

      I    – Ter validado um conjunto de disciplinas que satisfaça o número mínimo de créditos exigidos, com média acumulada igual ou superior a 3,0, e que respeite as obrigatoriedades e especificidades da área de concentração pretendida.

      II                               – Apresentar monografia para o Exame de Qualificação de Doutorado.

      III    – Ter demonstrado proficiência em duas línguas estrangeiras em conformidade com as exigências estabelecidas pelo PPGEEL. Além disso, alunos estrangeiros devem ter demonstrado proficiência na língua portuguesa.

      IV   – Ter sido aprovado em processo de admissão coordenado pelo Colegiado Delegado.

      §1º Caso atenda a todas as condições estabelecidas neste Artigo, o ingresso no PPGEEL como aluno de doutorado com dedicação parcial será efetivado a partir de sua primeira matrícula.

      §2º Após sua primeira matrícula, o aluno deverá se submeter ao Exame de Qualificação em um prazo de até seis (06) meses, sob pena de desligamento do programa. Em caso de reprovação, o aluno poderá submeter-se a um segundo (2º) e definitivo exame de qualificação em prazo não superior a seis (06) meses.

      §3º O prazo para a integralização do doutorado somente começará a ser computado a partir da primeira matrícula do aluno. Os prazos regulamentares são os mesmos para alunos em regime de dedicação integral e parcial.

       

      TITULO III

      MUDANÇA DE REGIME DE DEDICAÇÃO

      Art. 8º Um aluno com regime de dedicação parcial que desejar mudar para o regime com dedicação integral poderá fazê-lo mediante o cumprimento das seguintes condições:

      I  – Atender as exigências do Art. 2º.

      II   – Formalizar solicitação ao PPGEEL, com a anuência do seu orientador, explicitando os motivos que o levaram a solicitara mudança de regime.

      III   – Ter a solicitação de mudança de regime aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL.

      § Único. A mudança de regime de dedicação não modifica os prazos regulamentares para a conclusão e defesa do trabalho nem a forma como os prazos são computados.

      Art. 9º Alunos com regime de dedicação integral só poderão mudar para o regime de dedicação parcial após a aprovação do Projeto de Dissertação de Mestrado, no caso do mestrado; ou depois da defesa e aprovação do Exame de Qualificação, no caso do doutorado.

      I    – Uma vez atendidas as condições previstas no caput deste artigo, o aluno deve formalizar solicitação de mudança para o regime de dedicação parcial com a anuência do seu orientador. Para se tornar efetiva, a solicitação de mudança de regime deve ser aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL.

      II    – Alunos matriculados em regime de dedicação integral que não atendam às condições previstas no caput deste artigo, e não possam manter a dedicação integral, devem solicitar seu desligamento formal do PPGEEL.

      Art. 10º Os casos omissos nesta Resolução e situações transitórias serão resolvidos pelo Colegiado Delegado.

      Art. 11º Esta Resolução entrará em vigor na data da sua publicação.

       

    • Relatoria de teses de doutorado

      Resolução Interna 05/PPGEEL/2017 – Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 27 de setembro de 2017.
      Dispõe sobre o processo de relatoria para a defesa de tese de doutorado
      Art. 1º. Um requisito adicional para a defesa de tese de doutorado é a obtenção de parecer favorável à defesa de um relator externo à UFSC, o qual emitirá parecer sobre a tese de doutorado considerando os seguintes aspectos:
      i. Existência de contribuição relevante (listar as contribuições).
      ii. Contextualização do avanço científico obtido (pesquisa bibliográfica adequada).
      iii. Clareza no encadeamento das ideias (redação gramaticalmente correta, formal e consistente).
      iv. Rigor científico nas definições e conceitos utilizados.
      v. Discussão dos resultados obtidos e confrontação com outros resultados da literatura e/ou experimentais (quando possível).
      vi. Disponibilidade das informações necessárias à reprodução dos experimentos e/ou resultados obtidos.
      Art. 2º. O relator deverá ser pesquisador com atuação na área de desenvolvimento da tese de doutorado, com experiência de pelo menos uma (01) orientação de doutorado concluída, sem vínculo com o Programa como estudante há ao menos cinco (05) anos e não deve ter sido orientado no seu doutoramento pelo mesmo orientador do trabalho a ser avaliado.
      Art. 3º. Se o parecer do relator for favorável, a defesa poderá ser encaminhada.
      Art. 4º. Se o parecer do relator for desfavorável, caberá ao Colegiado Delegado, considerando os argumentos apresentados pelo relator e outras informações que julgar necessárias, decidir entre:
      i. Permitir a defesa.
      ii. Definir prazo para a tese ser reencaminhada ao mesmo relator.
      iii. Definir o prazo para encaminhar a tese a um segundo relator.
      iv. Desligar o aluno do Programa por falta de desempenho.
      v. Definir um encaminhamento apropriado quando os procedimentos acima não possam ser aplicados adequadamente.
      Art. 5º. Nos casos ii. e iii. do §4º, o Colegiado Delegado tomará a decisão final sobre a defesa após o recebimento do segundo relato.
      Art. 6º. O relator será indicado pela coordenação do PPGEEL e o processo de relatoria ocorrerá em sigilo.
      Art. 7º. O(s) relator(es) será(ão) convidado(s) para participar da banca de defesa.

    • Requisitos de publicação para defesa de doutorado

      Para alunos que ingressaram no programa até 31/12/2012 Para alunos que ingressaram no programa a partir de 01/01/2013
       

      Resolução Interna CPGEEL/25 - Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/04/2002

       

      Dispõe Sobre o Número e Tipo de Publicações Exigidas como Requisitos para Teses de Doutorado.

      Além dos requisitos estabelecidos no Art. 45 do Regimento do PPGEEL, exigir-se-á, para encaminhamento do pedido de defesa de Tese de Doutorado, o cumprimento, na sua integralidade, de uma das duas (02) possibilidades apresentadas a seguir: (1) apresentar carta de aceitação para publicação de um artigo completo, resultado das pesquisas realizadas no período de desenvolvimento da tese de doutorado, em periódico internacional indexado; (2) apresentar comprovantes de: (2.1) submissão de um artigo completo para publicação em periódico internacional indexado, E (2.2) aceitação de dois (02) artigos completos, sendo pelo menos um artigo em congresso internacional organizado por sociedade científica reconhecida OU aceitação para publicação de um artigo completo em revista nacional indexada. O cumprimento desta resolução será exigido de todos os doutorandos que tiverem seu exame de qualificação realizado a partir de março de 2002 e, as publicações a que se referem os itens acima, dizem respeito aos resultados das pesquisas realizadas no período de desenvolvimento da tese.

       

      Resolução Interna 16/PPGEEL/2012Aprovada em Reunião do Colegiado realizada em 24/10/2012.

      Dispõe sobre os requisitos para a defesa de tese de doutorado

       

      Parágrafo Único Além dos requisitos estabelecidos no Art. 45 do Regimento do PPGEEL, exigir-se-á, para encaminhamento do pedido de defesa de tese de doutorado, a publicação ou documento de aceitação definitiva ou documento referindo à aceitação com pequenas modificações de, pelo menos, um (01) artigo sobre assunto relacionado à tese em periódico com classificação Qualis igual ou superior a B1 na área de Engenharias IV da CAPES. Periódicos que não se encontram na base de dados do Qualis seguirão a classificação estabelecida no documento de área de Engenharias IV. Casos excepcionais, devidamente instruídos, serão avaliados pelo Colegiado Delegado.

       

    • Requisitos para defesa de Dissertação de Mestrado

      RESOLUÇÃO Nº 10/PPGEEL/2017, DE 25 DE OUTUBRO DE 2017

      Dispõe sobre os requisitos para a defesa de dissertação de mestrado


      Parágrafo Único Além dos requisitos estabelecidos no Art. 43 do Regimento do PPGEEL, exigir-se-á do candidato ao mestrado, como requisito para encaminhamento do pedido de defesa de dissertação de mestrado, a apresentação de trabalho vinculado à dissertação, em formato de artigo científico, visando à publicação futura em, ao menos, anais de congresso nacional, aprovado pelo orientador. Artigos previamente publicados como trabalhos completos em congressos ou periódicos de abrangência ao menos nacional serão também considerados na satisfação deste requisito. Casos excepcionais, devidamente instruídos, serão avaliados pelo Colegiado Delegado.

    • Requisitos mínimos de desempenho dos mestrandos e doutorandos

      Resolução Interna 18/PPGEEL/2014Aprovada em reunião do Colegiado Delegado realizada em 23/10/2014.

      Dispõe sobre os requisitos mínimos de desempenho dos mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEL) da Universidade Federal de Santa Catarina.

      Art. 1o. Desempenho Mínimo - O aluno terá sua matrícula automaticamente cancelada e será desligado do PPGEEL se:

      • Não obtiver ao final do primeiro semestre cursado, índice de aproveitamento igual ou superior a 2,25.
      • Não obtiver ao final do segundo semestre cursado, índice de aproveitamento igual ou superior a 3,0.

      § único. Casos especiais e devidamente justificados serão analisados pelo Colegiado Delegado do PPGEEL.

    • Revalidação de Créditos

      Resolução Normativa  N°.  08/PPGEEL/2017, aprovada pelo Colegiado Delegado do PPGEEL em 25 de outubro de 2017.

      Dispõe sobre a validação de créditos e notas em disciplinas cursadas previamente para os cursos de mestrado e doutorado para alunos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEEL) da Universidade Federal de Santa Catarina

      TÍTULO I

      DISPOSIÇÕES INICIAIS

      A validação de créditos e conceitos em disciplinas anteriormente cursadas para os cursos de mestrado e doutorado se aplica aos alunos regularmente matriculados no PPGEEL. A presente Resolução deve também ser aplicada para fins de validação de créditos e conceitos em disciplinas por postulantes a ingressar no PPGEEL como alunos regulares com Dedicação Parcial.

      Art. 1o – A validação de créditos e conceitos em disciplinas anteriormente cursadas para os cursos de mestrado e doutorado e a equivalência do número de créditos e conceitos será realizada de acordo com esta resolução, em complementação ao estabelecido no Regimento do PPGEEL e da Pós-Graduação da UFSC.

      TÍTULO II

      VALIDAÇÃO DE CRÉDITOS E CONCEITOS EM DISCIPLINAS

      Art. 2o – A validação de créditos e conceitos em disciplinas, para alunos regulares nos cursos de mestrado e de doutorado no PPGEEL, poderá ocorrer da seguinte forma:

      • 1o – A validação de créditos em disciplinas somente poderá ser solicitada pelo aluno após a conclusão com êxito de seis (06) créditos em disciplinas regulares do PPGEEL com sua matrícula atual.
      • 2o – No caso de créditos e conceitos em disciplinas obtidos em disciplinas regulares do PPGEEL, na qualidade de aluno regular ou com matrícula em disciplina(s) isolada(s), assegurada a atualidade dos conteúdos programáticos abordados, poderá ser validada a totalidade dos créditos e conceitos em disciplinas.
      • 3o – Os créditos e conceitos obtidos em disciplinas regulares em outros programas stricto sensu com conceito CAPES igual ou superior a quatro (04) e que, à época de sua solicitação, possuam afinidade às áreas de concentração do PPGEEL poderão ser validados parcial ou totalmente de acordo com análise do Colegiado Delegado do PPGEEL.
      • 4o – Poderão ser validados, total ou parcialmente, de acordo com análise do Colegiado Delegado do PPGEEL, até oito (08) créditos e conceitos em disciplinas obtidos em cursos de Pós-Graduação strictu sensu com conceito CAPES igual a três (03) e que, à época de sua solicitação, possuam afinidade às áreas de concentração do PPGEEL.
      • 5o – Créditos e conceitos em disciplinas cursadas em instituições conceituadas de fora do país poderão também ser validados. A avaliação das instituições será realizada com base em rankings internacionais tendo a UFSC como referência.

      Art. 3o – O pedido de validação de créditos e conceitos em disciplinas deverá ser encaminhado pelo aluno, em formulário apropriado, com anuência do professor orientador do aluno ao PPGEEL.

      TÍTULO III

      DIRETIVAS PARA A EQUIVALÊNCIA DE CONCEITOS PARA DISCIPLINAS VALIDADAS

      Art. 4o - Os requisitos e a equivalência de conceitos das disciplinas validadas para o respectivo curso no PPGEEL será realizada conforme a Tabela a seguir:

      Conceito CAPES da instituição aonde foi cursada a disciplina Disciplina com conceito A ou numérico entre 9,00 e 10,00 Conceito B ou numérico entre 8,00 e 8,99 Conceito C ou numérico entre 7,00 e 7,99 Conceito E ou numérico entre 0,00 e 6,99
      3 (três) a 7 (sete) Conceito validado: o próprio valor numérico ou 10 em caso de Conceito A Conceito validado: o próprio valor numérico ou 9,0 em caso de Conceito B Não se pode validar Não se pode validar

      TÍTULO IV

      CONSIDERAÇÕES FINAIS

      Art. 5o - Casos especiais ou não contemplados nesta Resolução serão analisados pelo Colegiado Delegado do Programa.

       

    • Substituição de orientador

      Resolução Interna 18/PPGEEL/2013Aprovada em reunião do Colegiado Delegado realizada em 23/10/2013.

      Dispõe sobre as condições para substituição de orientador

      Art. 1o. As solicitações para substituição de orientador deverão ser apresentadas à coordenação do Programa até o décimo oitavo (18º) mês transcorrido desde a primeira (1ª) matrícula para o caso de alunos de mestrado e até o trigésimo sexto (36º) mês desde a primeira matrícula no caso de alunos de doutorado, excetuando-se as licenças e trancamentos previstos na legislação.

      § 1 As solicitações para substituição de orientador podem ser apresentadas em comum acordo entre aluno e orientadores envolvidos, ou unilateralmente.

      Art. 2o Nas solicitações em comum acordo, deve ser apresentado um documento com exposição de motivos, assinado pelo aluno, orientador atual e orientador pretendido.

      Art. 3o As solicitações para troca de orientador apresentadas unilateralmente pelo aluno ou pelo orientador deverão ser acompanhadas por:

      I.            exposição de motivos, e

      II.            detalhamento sobre o andamento do trabalho até o momento da solicitação.

      § 1 Nos casos tratados neste artigo, cada  orientador acadêmico das áreas envolvidas deverá emitir parecer sobre a solicitação.

      Art. 4o. Todos os requerimentos de mudança de orientador serão apreciados pelo Colegiado Delegado do Programa.